Cesta básica sorocabana está custando 1.049,98, segundo pesquisa da Uniso

Segundo o Dieese, o salário mínimo adequado para que o trabalhador possa garantir uma qualidade de vida mínima seria de R$6.723,41 em janeiro.

Em mais uma pesquisa realizada pelo Laboratório de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade de Sorocaba (LCSA) da Uniso, o valor médio da cesta básica sorocabana em janeiro deste ano ficou em 1.049,98, consumindo 74,2% do Salário Mínimo vigente, que está em R$ 1.412,00, mesmo após a política nacional de valorização.

Ainda segundo a pesquisa, o preço é 2,12% maior que dezembro de 2023, mas representa uma queda de 0,67% em relação a janeiro passado.

O produto com maior aumento no preço foi a batata, saltando em 33,46% em relação ao mês anterior. Já o produto com maior baixa em relação a dezembro foi a pasta de dente, com uma queda de 11,59% no seu valor.

Confira o Boletim da cesta básica de janeiro 2024 aqui.

 

Valorização do salário mínimo

Em agosto de 2023, o Governo Federal sancionou uma nova política de valorização do Salário Mínimo, transformando-a em política de Estado. 

Segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o salário mínimo adequado para que o trabalhador possa garantir uma qualidade de vida mínima, com alimentação, moradia, saúde, educação, seria de R$ 6.723,41 em janeiro.

O economista do Dieese, Felipe Duarte, destaca que a dinâmica do mercado de trabalho nas últimas duas décadas demonstrou a importância de políticas públicas de valorização do salário mínimo. 

“Em face das crises periódicas, essa política desempenha um papel central ao contribuir para preservar as condições de vida dos trabalhadores assalariados em momentos de recessão e crise, minimizando suas perdas de rendimento em momentos econômicos adversos”, afirma.

Combate à fome

Em Sorocaba, atualmente, mais de 50 mil pessoas estão em situação de pobreza ou extrema pobreza e sem acesso à alimentação adequada, segundo a Vigilância Socioassistencial.

Diante desta situação, o BAS tem trabalhado para fortalecer políticas de combate à fome, atendendo cerca de 8.500 pessoas em Sorocaba, através de 60 entidades cadastradas.

 

Saiba como ajudar o BAS

Para ajudar o BAS com doação de alimentos, basta entrar em contato através do Whatsapp (15) 97400-0206.

Para contribuir financeiramente, doe através do Pix 08741511000176 (CNPJ) para a conta na Caixa Econômica Federal.

Para doar através da Nota Fiscal Paulista, acesse www.nfp.fazenda.sp.gov.br , faça o login ou o cadastro; clique em entidades e depois Doação de cupons com CPF (automática) e busque pelo Banco de Alimentos de Sorocaba, selecione o período que quer doar e confirme a Doação Automática. Pelo aplicativo, também é possível doar os cupons sem CPF cadastrado. É só guardar a notinha da sua compra e escanear o QR Code. Para acessar, é só clicar na aba à esquerda e selecionar “Doação Cupom sem CPF”.

Para doar o Imposto de Renda, não é preciso pagar nada a mais do que o valor já devido para a Receita Federal. Os interessados podem falar com o próprio contador que fará a declaração ou, se forem fazer por conta própria, optar pela declaração via formulário completo. Caso tenham valor de imposto a pagar, podem escolher um fundo municipal, estadual ou federal, para destinar até 3% do imposto.

O Banco de Alimentos é cadastrado no Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA) de Votorantim para receber os valores. O dinheiro que o contribuinte pagaria ao governo, vai direto para o Fundo Municipal do Direito da Criança e do Adolescentes (Funcad Votorantim), que repassa os valores às entidades que têm projetos aprovados pelo município.

Vale lembrar que, para garantir que o recurso chegue até à instituição, é preciso enviar um e-mail com o comprovante de pagamento da DARF gerada pelo sistema para [email protected] e para [email protected].

Outra forma de contribuir com o BAS é sendo voluntário, seja no recebimento ou na distribuição dos alimentos. 

Tags:

cesta básica Combate à Fome renda salário mínimo segurança alimentar valorização